Centro de Tecnologia – UFSM tem mais um projeto que trará benefícios a sociedade

quarta, 30 de dezembro de 2015.

O projeto de lâmpada de Bulbo Led Auto-Oscilante, coordenado pelo professor Dr. Marco Antonio Dalla Costa, é desenvolvido pela equipe de alunos, três graduandos e um doutorando, do grupo de pesquisa GEDRE - Inteligência em Iluminação, situado no NUPEDEE, Centro de Tecnologia – CT da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. Este projeto teve início em junho de 2015 e tem previsão de ser oncluido em novembro de 2017. O objetivo do projeto consiste em desenvolver um protótipo em conjunto com a empresa Eletro Zagonel – LTDA da cidade de Pinhalzinho – SC, onde são desenvolvidas lâmpada de led destinadas ao uso tanto residencial quanto comercial, o que traz maior economia e segurança a todos os usuários.

As lâmpadas assim como suas tecnologias estão em constante evolução, devido a necessidade de melhora na sua eficácia, estas que aí estão disponíveis no mercado e que os consumidores levam para seus lares, não tem mais o que evoluir, e por isso o GEDRE-NUPEDEE trabalha para dar ênfase à eficiência. As lâmpadas mais utilizadas no mercado são as fluorescentes compactas e as incandescentes que estão caindo em desuso devido a sua baixa eficácia luminosa. Há também maior frequência de acidentes ocasionando prejuízo ao homem e ao meio ambiente. Seja nos ferimentos causados por explosões ou no descarte irregular que afeta o solo e mananciais. A causa está na composição de metais pesados localizados no interior das lâmpadas fluorescentes e ao serem dejetadas de maneira inapropriada resultam em prejuízo ao meio ambiente e aos seres humanos. A lâmpada de led em comparação às outras, tem maior vida útil e maior capacidade de irradiação de luz, o que é fortemente enfatizado pelo professor Marco, que além da eficiência da luminosidade produzida pela lâmpada de bulbo led, é o maior diferencial do projeto.

(tamanho de um led que compõe o circuito, abaixo)

 

 

 

 

Para entender melhor como funciona

- Uma lâmpada incandescente residencial tem eficácia de 10 – 20 lm/W (medida de luz),

- Uma lâmpada fluorescente E27 compacta tem eficácia de 50 lm/W,

- Uma lâmpada de bulbo led com circuito eletrônico em seu interior tem eficiência de 80 lm/W (são utilizados 14 leds), uma lâmpada de led de 10W equivale a uma lâmpada incandescente de 75W, estas comparações são realizadas em residências.

 

Segundo o professor Marco a lâmpada é composta por uma estrutura com circuitos integrados, a UFSM está em processo de desenvolvimento de um driver que não necessita de circuitos integrados – CIs, circuitos esses que são manipulados por empresas que detêm o monopólio e as utiliza como as convêm. O melhor disso, explica o professor Marco é que este produto não vai mais depender desses circuitos CIs e ainda detalha que a lâmpada de bulbo led tem como principal vantagem a não necessidade de CIs, pois utiliza somente elementos passivos que são compostos por três pilares fundamentais que contam com:

- projeto de circuito eletrônico,

- projeto térmico,

- projeto ótico (iluminação homogênea), onde desenvolve a parte térmica e ótica (distribuindo a luz e retirando o calor que causa a diminuição da vida útil da lâmpada).

 

A partir de dezembro deste ano passa valer a portaria de número 389 do Instituto Nacional de Metrologia Qualidade e Tecnologia - Inmetro que regulamenta e estabelece as diretrizes e critérios para a atividade de avalição da conformidade considerando a importância de as lâmpadas de led com dispositivo de controle integrados à base que são comercializadas no país, e estas apresentarem requisitos mínimos de eficiência, segurança e confiabilidade eletromagnética. Do texto da lei o mais significativo e importante é a busca pelo fortalecimento da indústria nacional que busca qualificar o produto para torná-lo mais atrativo e competitivo no mercado interno e internacional. As lâmpadas de led são 100% recicláveis, compostas por partes de cerâmica e silicone, o significa que a nova tecnologia além de inteligente é amiga da natureza.

As vantagens do uso

- semicondutores podem chegar a 150 mil horas de consumo,

- lâmpadas incandescentes podem chegar a mil horas de consumo,

- lâmpadas fluorescentes compactas podem chegar de 4 a 8 mil horas de consumo,

- lâmpadas de bulbo led podem chegar a 25000 mil horas de consumo, isso se estas estiverem em funcionamento por aproximadamente quatro horas por dia, terão vida útil de 17 anos de uso contínuo, 

Para o Inmetro a exigência mínima para que a lâmpada seja considerada de bom uso é de 25000 mil horas, o que amortiza a necessidade de troca de lâmpadas e no caso do descarte, sem causar ferimentos ao homem e poluição ao meio ambiente, porque não possui metais pesados (o que ocorre apenas nas lâmpadas fluorescentes e não nas lâmpadas incandescentes) as tão conhecidas e usadas nas residências. Para o professor coordenador do projeto Marco Antonio Dalla Costa a Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência – FATEC é de fundamental importância por mediar o desenvolvimento de projetos que vão trazer melhoria na vida de cidadãos e como consequência a toda sociedade.

Kelly Martini

MTb 137.25

Assessora de Imprensa da FATEC