Projeto Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental do CT – UFSM possui práticas com olhar na sustentabilidade.

segunda, 27 de junho de 2016.

Suporte para drenagem, desenvolvido pelo professor Daniel Allassia Piccilli.

O projeto Suporte à Comunidade no Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental iniciado em 2010 e finalizado em 2015, teve como coordenador o professor Dr. Daniel Allasia, e contou com o auxílio e a participação direta e indireta de 60 alunos, entre os níveis técnicos, graduação, mestrado e doutorado, que participam diretamente das atividades, ou foram beneficiados indiretamente pelos dados gerados no projeto. Em função do sucesso do primeiro projeto, atualmente uma continuação do mesmo está sendo proposta.

O coordenador Daniel explica que, com o incremento do uso de microcomputadores e o desenvolvimento da técnica de modelação matemática, estimulou-se a atuação mais abrangente dos engenheiros no campo dos recursos hídricos em áreas tão diferentes que vão desde a hidrologia básica, até modelos de otimização de sistemas de recursos hídricos, bem como, aqueles modelos de suporte à decisão, aplicados à recursos hídricos.

No entanto, o conhecimento, principalmente das técnicas atuais de informática para o desenvolvimento destes estudos, não tem sido extensamente difundido entre os principais atores dos recursos hídricos e, em especial, nos quadros técnicos, resultando em projetos e obras que não utilizam dos últimos avanços técnicos e científicos, infelizmente.

Tubo onde aparecem as diferentes camadas que são filtradas.

Estes problemas têm sido analisados, entre outros, no “Estudo sobre Capacitação em Saneamento Ambiental: identificação e qualificação da oferta e da demanda“, que é um trabalho de responsabilidade do Programa de Modernização do Setor Saneamento – PMSS/2005, vinculado à Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental - SNSA, do Ministério das Cidades, e que esteve sob a coordenação de um grupo de trabalho de caráter interministerial. Este grupo de trabalho – GT Capacitação foi constituído em 2004 por iniciativa dos ministérios: das Cidades, por intermédio da - SNSA; da Ciência e Tecnologia; do Meio Ambiente, por intermédio da Secretaria de Recursos Hídricos - SRH; da Agência Nacional de Águas - ANA; por intermédio da Superintendência de Tecnologia e Capacitação STC; e da Educação. Participam eventualmente do GT representantes da FUNASA, da CAIXA, do Ministério da Integração Nacional, do CNPq e do BNDES, entre outros, juntamente à UFSM.

O GT Capacitação surgiu em resposta à intenção do governo federal de conhecer a realidade brasileira em termos de necessidades de capacitação e modernização do setor de recursos hídricos e saneamento no Brasil. Uma das conclusões do estudo indica a necessidade de uma maior aproximação entre as pesquisas desenvolvidas nas universidades e as reais necessidades dos usuários, tomadores de decisão, técnicos e outros atores da gestão dos recursos hídricos e saneamento ambiental.

Nesse contexto, o papel da Universidade é o de integrar ensino, pesquisa e extensão de forma a apoiar e desenvolver a utilização sustentável dos recursos hídricos no Brasil, dando suporte a projetos em desenvolvimento da área. Pretendendo-se, desta forma, impulsionar a confiabilidade técnica, linguagem acessível e disponibilidade em tempo hábil de informações científicas e técnicas para a sua inclusão e posterior replicação por parte dos atores nos projetos de recursos hídricos e saneamento ambiental.

Este projeto desenvolvido na UFSM tem esta visão e participou deste propósito, dando suporte a projetos nas áreas mencionadas, de forma que não somente os mesmos conquistem qualidade, incorporando conhecimentos científicos e tecnológicos atuais, como também sirvam como divulgadores do conhecimento. Os projetos apoiados serviram, assim, de referência para futuros projetos, multiplicando o conhecimento e melhorando o nível geral.

Escoamento da água.

Entre os projetos apoiados podem mencionar-se os Planos Diretores de Drenagem Urbana de Teresina-PI, Porto Alegre-RS e Manaus-AM, além do Plano de Saneamento Básico de Rio Grande-RS.

Além da qualificação destes projetos, o conhecimento adquirido pelos professores e alunos participantes serviram, por um lado, para nutrir o conhecimento acadêmico da prática profissional, diminuindo a brecha que muitas vezes acontece entre o ensino na sala de aula e a real disponibilidade e aplicabilidade das teorias e bibliografia, assim como as pesquisas em desenvolvimento dentro da própria universidade. Este tipo de projetos é de fundamental importância, dado o benefício recebido pelos alunos, que podem treinar seus conhecimentos em um campo de estudo real, que enriquece a pesquisa e a sua formação. Por outro lado, permite que o Centro de Tecnologias – CT, e a própria UFSM sejam reconhecidos como polo de desenvolvimento e divulgação de conhecimentos e técnicas na área de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental.

Vale destacar que a partir das informações obtidas neste projeto, ou de demandas observadas na sociedade, diversas pesquisas foram desenvolvidas pelos participantes, podendo mencionar-se nos últimos anos a publicação de pelo menos 15 artigos em revistas indexadas, 30 trabalhos completos em eventos e uma patente de inovação. Em particular, destacam-se os projetos de pesquisa para desenvolvimento de Ecotecnologias (telhados verdes e trincheiras de infiltração) que apoiados diretamente pelo Projeto Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, desenvolveram publicações premiadas a nível nacional, observando que estas iniciativas científicas passam pelo crivo da FATEC, tão árdua motivadora e intermediadora dos projetos desenvolvidos na universidade.

Kelly Martini – MTb. 137.25
Assessora de Imprensa da FATEC