Projeto do Departamento de Fitotecnia – CCR – UFSM proporciona novas maneiras de disseminar conhecimento através da produção de mudas de erva-mate.

quinta, 04 de maio de 2017.

Para a erva-mate ainda existem importantes entraves tecnológicos a serem resolvidos para se estabelecer um programa de produção de mudas com elevada qualidade genética e fitossanitária, já que a maioria das mudas desta espécie são oriundas de sementes. As mudas produzidas por sementes apresentam elevada variabilidade genética, o que é indesejável em plantios comerciais, especialmente pelas dificuldades impostas para o manejo das plantas e pela baixa produtividade e qualidade do produto, o que é atribuída a redução da produtividade da erva-mate em 52% nos últimos 20 anos no RS. Assim, o desenvolvimento de tecnologias para a produção de mudas de qualidade é considerado um dos maiores entraves da cadeia produtiva da erva-mate no estado. Segundo a lei 10.711/2003, que dispõe sobre o sistema nacional de sementes e mudas, qualidade é o conjunto de atributos que permite comprovar a origem genética e o estado físico, fisiológico e fitossanitário das mudas. A região do Alto do Taquari é a que possui maior produção de erva-mate no estado, com mais incidência nas cidades de Soledade, Ilopólis e Arvorezinha, detendo cerca de 30% da produção do estado.

Para a erva-mate ainda existem importantes entraves tecnológicos a serem resolvidos para se estabelecer um programa de produção de mudas com elevada qualidade genética e fitossanitária, já que a maioria das mudas desta espécie são oriundas de sementes. As mudas produzidas por sementes apresentam elevada variabilidade genética, o que é indesejável em plantios comerciais, especialmente pelas dificuldades impostas para o manejo das plantas e pela baixa produtividade e qualidade do produto, o que é atribuída a redução da produtividade da erva-mate em 52% nos últimos 20 anos no RS. Assim, o desenvolvimento de tecnologias para a produção de mudas de qualidade é considerado um dos maiores entraves da cadeia produtiva da erva-mate no estado. Segundo a lei 10.711/2003, que dispõe sobre o sistema nacional de sementes e mudas, qualidade é o conjunto de atributos que permite comprovar a origem genética e o estado físico, fisiológico e fitossanitário das mudas. A região do Alto do Taquari é a que possui maior produção de erva-mate no estado, com mais incidência nas cidades de Soledade, Ilopólis e Arvorezinha, detendo cerca de 30% da produção do estado.

O projeto é parte de um Convênio assinado há dois meses, em parceria com a Ervateira Ximango, conta com a participação de alunos de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado dos cursos de Agronomia e Engenharia Florestal da UFSM. O convênio possui importante papel para o desenvolvimento deste estudo e é através dele que são formadas parcerias com viveiros de produção de mudas da região do Alto do Taquari, os quais aclimatizam e rustificam as mudas produzidas por miniestaquia na UFSM. Isso possibilita treinar e qualificar os produtores com as técnicas de manejo necessárias para a produção das mudas de qualidade de erva-mate. A Ervateira Ximango oferece todo o suporte logístico para que seja possível realizar este trabalho de desenvolvimento científico e tecnológico, possibilitando, através desta parceria, a implantação das mudas clonais de erva-mate em áreas demonstrativas na cidade de Ilópolis – RS (Figura 2).

Segundo o professor Dilson, coordenador do projeto, existe a necessidade de se desenvolver novas tecnologias de produção de mudas de qualidade de erva-mate, para a implantação de povoamentos uniformes, que facilitem os tratos culturais e o manejo das plantas que maximizem a produtividade e a qualidade da erva-mate produzida. O coordenador salienta que atualmente são produzidas 15 milhões de mudas da planta no Brasil, estas suprem a demanda do mercado interno, na maioria com sementes oriundas de ervais nativos ou implantados. Diante deste contexto, a clonagem por miniestaquia, técnica utilizada para o desenvolvimento deste estudo poderá resultar em aumentos imediatos da produtividade e da qualidade dos novos povoamentos de erva-mate, com o uso de clones selecionados e a aplicação de técnicas adequadas de manejo da produção, o que melhora a qualidade de vida e a renda dos produtores do Rio Grande do Sul. Este é o típico projeto que somente uma parceria com diferentes atores da cadeia produtiva, o que é absolutamente incomum em projetos de pesquisa, pode viabilizar a execução e garantir bons resultados, principalmente no que se refere a utilização imediata pelos produtores das tecnologias geradas na Universidade, contando sempre com o apoio da FATEC.

Kelly Martini – MTb 137. 25
Assessora de Imprensa da FATEC